10.25.2013

Chat: Meu primeiro Amor


Olá meninas, tudo bom? Eu estava pensando e decidi colocar aqui no blog uma nova Tag: "Chat", que funciona assim: toda semana irá ter um assunto diferente aqui no blog, que será postado na sexta-feira. Eu entrei em contato com alguns blogs e as lindas responderam, mas ficaria mais fácil se vocês entrassem em contato comigo pelo e-mail ou pela fan page do blog que eu irei tirar dúvidas, ou dizer qual será o próximo tema.

RAYANNE BRAGA, 15 anos -  Vejamos... Meu "primeiro amor". Foi na quarta série. Na verdade, eu já tinha gostado de outro garoto antes, mas esse realmente foi o meu primeiro 'amor'. Eu tinha acabado de trocar de turno. E no meu primeiro dia de aula a tarde o conheci. Eramos pequenos ainda, tínhamos, na época, uns 9 à 10 anos. Eu gostei dele, e ele gostou de mim. Era engraçado porque nós tínhamos um motivo pra chegar cedo na aula, sabe? Passamos QUATRO ANOS gostando um do outro. Vocês podem pensar que ficamos juntos, e fomos felizes por um bom tempo. Mas não. Não aconteceu NADA disso. NUNCA demos um beijo, ou sequer um abraço. Como eu disse, nada entre nós aconteceu. Depois de um tempo, eu comecei a me afastar dele, porque ele me deu motivos. Me ignorava na frente dos amigos, só falava comigo quando estava sozinho, enfim. Coisas que fizeram com que meu sentimento por ele se esgotasse. Quando disse que não estava mais gostando dele, ele claro, ficou com muita raiva de mim, e desejou que TUDO em minha vida desse errado. Não é exagero, e sim, a verdade. Ainda lembro as palavras dele naquele dia. Mas hoje evito lembrá-las. Depois de quase seis anos, ainda nos falamos. Porém, não como antes. Meu 'primeiro amor' não foi bem uma coisa muito legal, mas me ensinou bastante, e eu não me arrependo de ter vivido isso. Foi um grande aprendizado, pra nós dois. Me orgulho de ter vivido isso, e hoje tento não cometer os mesmos erros de antes. E sim, mesmo ele não sendo perfeito, 'meu  primeiro amor' foi especial!  | BLOG

LAYNE, 15 ano s - Ah, eu não tenho nada de incrível para contar sobre ele... Bom, ele foi a primeira pessoa que eu amei de verdade na minha vida, mas ele simplesmente não gostava de mim! Hahaha.. então a gente não ficou junto, eu gostei dele por um bom tempo, mas era tudo coisa da minha cabeça, sabe? Coisa que por mais que me dissessem que não ia acontecer, eu ainda tinha esperanças. Até que eu resolvi tomar vergonha na cara, e esquecer ahahaha, daí então hoje em dia a gente não se fala muito, mas agora estou namorando com uma pessoa que me dá valor e que também me ama bastante!!! Hehehe | BLOG

DÉBORA DAMARIS, 15 anos -  Eu estava na 4 série, e na minha classe tinha um menino chamado Henrique, nós eramos melhores amigos e eu sempre gostei muito dele.
Estávamos na colônia de férias, e para mim era muito legal porque não precisava usar uniforme.
E eu, ainda sendo criança, pensei "hoje vou me declarar para o Henrique". Me lembro que se passaram  horas e ele ainda não tinha chego no colégio, até que fui perguntar para uma professora aonde ele estava, e ela me respondeu...
- Ele se mudou com a família para o Japão ontem a noite!
Eu nunca mais vi o Henrique :(((  | BLOG

CAROL THOMAZINI, 16 anos -  Eu encontrei o amor verdadeiro há três anos. Na época tinha 14 anos e ele 17. Nos conhecemos em um carnaval, acredita? Bom, na verdade, nosso primeiro contato foi através do orkut e msn. Eu era amiga do irmão dele e acabamos assim, nos aproximando um pouquinho por essas redes sociais. Era Janeiro, carnaval e curtição. Iria para a cidade dele, que fica uns quinze minutinhos da minha, para passar uma semana toda lá na casa de alguns familiares. Na primeira noite, ele me reconheceu de longe e logo gritou meu nome querendo conversar. E conversamos. Envergonhadamente é claro! Bom, pelo menos eu sim. Ele sempre foi muito extrovertido e amigo de todos, e eu sempre a mais quieta e de sorrisos fáceis. Conversar pessoalmente era um tanto diferente quanto pela aquela janelinha no computador. Mas mesmo assim a conversa rendeu, com brincadeiras e papos engraçados. 
Os dias foram passando, e todo finzinho de tarde, deixando totalmente o clima carnavalesco de lado, sentávamos em uma calçada e permanecíamos lá por horas e horas. Até o anoitecer eu já estava sabendo o nome de todos os seus irmãos, amigos e colegas. Sabia de seus planos, das suas loucuras e aventuras. Descobria seus defeitos e admirava cada segundo sua facilidade incrível de me fazer sorrir. 
Quando essa semana acabou e eu tive que voltar para minha cidade, as conversas pela internet voltaram, e junto dela vieram os sms’s. Vários deles. Todos os dias, a cada minuto. Não sabia de onde arranjávamos tanto assunto, mas isso ia aumentando a cada dia que passava. Passado quatro meses, era aniversário da minha cidade, logo ia ter quatro dias de festa. Já está na cara né? Marcamos de nos ver e essa ansiedade tomava conta de mim a cada hora que eu contava nos dedos. Estava nervosa e feliz. E já estava começando a perceber: era um sintoma. 
No primeiro dia de festa, conversando por mensagens de texto, ele se declarou da forma mais espontânea possível. “Eu sei que você me ama, confessa!”, “Quem está me amando é você! Confessa!”, “Estou, estou te amando de verdade”. Puft! Meu mundo desmoronou e se ergueu em segundos. Minha nossa!  O coração parecia que ia explodir, o sorriso iria de orelha a orelha, e tudo o que consegui digitar foi: “Eu sabia seu bobo! Estou te amando também”.  A noite chegou e ele também. Nosso primeiro beijo foi estranho. Mas foi bom. Ele me beijou e eu não ouvi mais nenhum barulho, não senti a presença de mais ninguém. Éramos apenas nós dois e a certeza de que eu queria aquilo para sempre do meu lado.
Uma semana depois ele me pediu em namoro em um sábado ensolarado qualquer que ele tinha vindo me ver de bicicleta. Exatamente. Bicicleta. Maluco! No começo era incrível, estávamos apaixonados, estava estampando na cara de nós dois e gritávamos isso para todo mundo! Mas eu era praticamente um criança, tinha 14 anos e ele  17. Éramos crianças na verdade. Meus pais não queriam de jeito nenhum esse relacionamento. Eles tinham razão, iria acabar me decepcionando.  
Após seis meses de namoro, com muitas conturbações por causa da proibição e depois de muitas brigas, acabamos nos separando. Parecia que tudo tinha acabado ali, depois de ter enfrentado minha família toda para estar junto a ele, acabou em um piscar de olhos, e aquilo parecia o fim do mundo. Mas sabe, não foi.
Ficamos muito tempo separados, sem um oi, sem aquelas conversar diárias de antes, nada. Eu e ele acabamos nos relacionando com outras pessoas e saindo para se divertir nas noites. Era assim. Até o dia do meu aniversário de 15 anos. Ele me desejou parabéns pelo bate-papo do facebook. Me falou para ser feliz e que tudo o que queria era me encontrar sempre com um sorriso no rosto. Assim, acabamos nos esbarrando em uma festa na cidade dele. Eu com as minhas amigas e ele com os amigos dele. Estávamos bem. Peguei nossos olhos se cruzando diversas vezes, e já não sabia se estava tão bem assim. Isso tudo passou e na semana seguinte ele tornou a falar comigo. Me disse que naquele dia que me encontrou sentiu seu coração pesar e que queria voltar. E sabe, nós voltamos. Todo felizes e foi muito bom. Pelo menos o primeiro mês sim. Voltamos a brigar constantemente todos os dias. Por bobeiras. Mas brigávamos feito cão e gato. Não estávamos nos entendendo mais. Terminamos. 
Eu repetia para mim mesma que já tinha dado o que era para dar. Acabou! Simples assim. Já chega! Era o fim... Mas vou te contar... Não foi. Acabamos voltando mais uma vez, terminando outra. Voltamos e terminamos novamente. E voltamos enfim.
Hoje, dia 24/10/2012 fazem dois meses e sete dias que voltamos. E dois anos, um mês e sete dias que estamos juntos. Depois de muitas brigas, discussões, desentendimentos, ciúmes e desconfiança, voltamos. Depois de muitas noites chorando, pedindo e orando para que tudo desse certo, voltamos. Depois de choros compartilhados, perdões aceitos ouvindo o coração gritar mais alto, voltamos. 
Ele está com 19 anos agora e eu vou fazer 17 mês que vem, ainda brigamos todos os dias, não nos entendemos às vezes e estamos mudados, mas dessa vez, uma coisa está diferente... Aprendemos a aceitar e a conviver com os defeitos um do outro, a pedir desculpas quando necessário, a conversar quando sentimos algo errado, a entender e a lutar, todos os dias, por esse amor que sentimos um pelo outro. E a cada sol que nasce eu tenho a maior certeza do mundo, que Deus não o colocou por acaso na minha vida. É um presente. Uma história. Um sentimento incomum. Um amor que sempre irei carregar comigo no meu coração. Meu primeiro amor, meu melhor amigo, meu primeiro namorado, minha única paixão. A única que vou lutar até o último minuto da minha vida. | BLOG

Cada uma mais linda que a outra né gente? A da Carol ficou enorme porque ela disse que estava inspirada, eu amei o primeiro e único amor dela, muito fofos, assim como das outras meninas! Deixe nos comentários como foi seu primeiro amor, vou adorar ler! E recomendo entrar nos blogs dessas lindas! Espero que tenham gostado, o próximo tema será: "Porque ter um blog?"
Beijoos.

Siga o blog nas redes sociais: 

4 comentários:

  1. Ficou MUITO LEGAL Line!!
    amei participar, pode sempre contar comigo!
    http://www.irmandadepp.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Dé, obrigada por participar.

      Excluir
  2. Aline, vc deveria colocar o rosto delas pra gente conhecer cada história já que fica mais interativo assim nos próximos coloca, tá? #ficaadica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sá, então eu tentei colocar, mas as imagens das postagens ficam grande demais, por isso não coloquei, ele já tem um "mecanismo" nos post para automaticamente ficarem grandes, e eu já tentei colocar mas não ficou legal.

      Excluir